Postagens

Mostrando postagens de Março, 2007

O poder das adversidades

Situações difíceis acontecem na vida de todos nós. O que diferencia o sábio do medíocre é que o sábio sempre vê na adversidade um aprendizado e uma oportunidade de crescimento. Ele aprende com a situação e sai dela melhor que entrou. O medíocre vê apenas uma ocorrência difícil.

Quando nos deparamos com estas circunstâncias a primeira reação é sempre reclamar e achar que coisas desse tipo só acontecem conosco. Dificilmente alguém vê na crise uma oportunidade. A decisão de se vamos crescer nesse panorama ou nos deprimir com ele é apenas nossa. Somente você pode escolher como será a sua reação quando os momentos difíceis acontecem.

O emocional é uma área muito forte dentro de nós. Apesar do ser humano se achar sapiens e pensar que é um homo intelectus, nós agimos muito mais pelas nossas emoções do que pela razão. Vejamos o exemplo de um esporte como o tênis. Todos sabem que esse jogo faz mal à coluna, que é repleto de impacto, que prejudica articulações pelo movimento repetitivo sempre fei…

O cerne da mudança

A única propriedade constante da vida é a mudança e quando ela para, a vida perde sua intensidade. O fluxo contínuo que gera a existência faz com que ela seja uma eterna transformação.

Acompanhando essa qualidade inerente ao ser humano, muito se pesquisou sobre mudanças dentro de grandes corporações. As opiniões como sempre são as mais variadas e discrepantes. Cabe aqui uma observação sobre o cerne de toda e qualquer modificação. Para sabermos como atuar com mais eficácia nesse assunto, precisamos entender profundamente qual é a energia motriz daquilo que queremos melhorar.

Uma empresa tem como principal força motriz o seu capital monetário e humano, portanto uma grande modificação dentro de uma organização vai depender diretamente do poder que esses dois recursos tiverem dentro do processo. Uma empresa com muito dinheiro poderá fazer grandes alterações até mesmo em seu core bussines, alocando capital financeiro para isso. Outra empresa que não tenha esse recurso abastado, mas que ten…

O amor que nos move

Que felicidade falar da mais nobre das emoções. A mais perfeita sensação. A maior inspiração das grandes obras da humanidade.
Nossa relação de busca frenética pelo amor inicia-se no ventre materno e continuará a nos acompanhar muito por tempo depois da nossa morte, quando muitos ainda chorarão de amor por nós.
O ser humano possui essa inquietação dentro de si, essa ansiedade intrínseca por saber que pode ter mais plenitude em sua existência do que a vida que tem no momento presente. Tem consciência que pode amar mais e ser mais amado. Sabe que possui dentro de si mais capacidades do que as que consegue manifestar no estado atual de desenvolvimento. Temos certeza que sempre podemos e que somos mais, agimos para nos aproximarmos mais dessa maneira mais completa de ser. Desistir desse aprimoramento é desistir da vida, a busca por um amor maior faz parte desse processo.
O amor realmente faz com que nos movemos, produz transformação e obriga a nos tornarmos melhor e a realizar mais. Às vezes …

A era do compartilhamento

A era do compartilhamento

Estamos passando por uma fase que por ser tão recente ainda não se definiu seu nome. Alguns a chamam de era pós-industrial, outros de pós-capitalista e há quem prefira era da informação. Analisemos uma outra possibilidade de nome que condiz totalmente com os acontecimentos atuais. Era do compartilhamento.

A informação sempre foi o grande diferencial de poder entre os seres humanos, aqueles que detinham a ciência do fogo na época das cavernas acabavam por dominar os que não tinham. O mesmo aconteceu depois com o conhecimento bélico e com a religião que retinha dados para não perder poder. Essa sempre foi a atitude de quem detinha informação reserva-a para poder usá-la como arma contra seus rivais. Com a informação concentrada nas mãos de poucos, havia também uma restrição de dinheiro e poder. Uma enorme parte da população acabava por se condicionar às decisões que vinham dos detentores da informação. No entanto, dizer que o mundo está mais oligárquico do que nun…

O retorno das deusas encarnadas

A civilização que criou essa fantástica filosofia de vida que é o yôga, tinha uma visão mais realista do verdadeiro papel da mulher. Esse povo olhava-a como a própria divindade encarnada, pois somente ela era capaz de gerar a sua imagem e semelhança. A mulher gerava a vida, então os antigos indianos a cultuavam como uma deusa. Com as mulheres no poder o mundo era mais humano, mais sensível e certamente por serem mais livre todos eram mais felizes.

Infelizmente os povos guerreiros tentaram acabar com essa forma de ver o mundo, mas vocês nunca perderam Sua Majestade. Por mais que os homens queiram se colocar em posições privilegiadas dentro da sociedade todos sabemos que o poder esta com vocês e que para o nosso contentamento vocês estão voltando a conquistá-lo.

Nós estamos felizes por ver o mundo cada vez mais próximo da maravilha vivenciada pelos antigos povos matriarcais. Somos gratos a você mulher, por trazer aos nossos dias, sensibilidade, atenção genuína às pessoas e mais alegria.

Pa…

A comunicação e o desenvolvimento pessoal

Certamente podemos atribuir à comunicação um grande diferencial para o desenvolvimento de nossa espécie em relação às outras. A escrita, por exemplo, é algo que merece nossa atenção. É incrível essa capacidade que desenvolvemos que, por meio de códigos, que são esses caracteres que o leitor esta vendo agora você possa transmitir seus pensamentos. Isso proporcionou a nós, seres humanos, um diferencial de aprendizado que jamais poderá ser medido. Pense o quanto aprendemos a partir da leitura e o quanto nosso desenvolvimento ficaria estancado se precisássemos ter sempre a presença física de alguém para nos ensinar. A comunicação oral, que também existe em outros animais, se tornou muito sofisticada no homo sapiens e somou-se aos nossos atributos de diferenciação. Podemos perceber outro aspecto da interferência da comunicação em nosso desenvolvimento, observando os países que possuem mais troca de informações se desenvolvendo mais.

Vamos analisar os dois pontos mais importantes da comunica…

A comunicação começa conosco

Falar de algum ponto da globalização pode ser algo banal no momento atual, mas apesar de parecer que já esgotamos esse assunto, como estamos em meio ao movimento, certamente nem todas as nuances desse fenômeno foram previstas. Parece que quanto mais cresce essa revolução, mais assuntos teremos para refletir. Vejamos alguns pontos sobre a comunicação nos dia de hoje.

Com o crescimento da aldeia global, passamos a travar contato com pessoas de culturas e valores diferentes. Cada vez mais as viagens se tornam uma constante na vida de milhares de pessoas e as relações estabelecidas via web também só crescem.

O fato é que as relações intercontinentais estão aumentando muito mais rápido do que o aprimoramento da nossa comunicação. Quando falamos em comunicação não nos referimos somente a capacidade de falar outra língua, mas a de nos fazer compreender e realmente expressarmos aquilo que sentimos. Esse ponto ainda não foi bem resolvido nem nos nossos círculos mais próximos como família, cônjug…

O caminho inverso

Os conceitos de público e privado já são muito antigos e muito bem distintos em países desenvolvidos, mas ainda não ficou muito bem definido nesse subcontinente chamado Brasil. A diferenciação entre público e privado nos remete a antiga Grécia na construção da antiga cidade-estado, onde houve uma distinção clara entre o que era do indivíduo e o que pertencia a todos. Cada cidadão que nasceu na Grécia a partir da construção da polis sabia que teria que conviver com duas ordens de existências e há uma grande diferença entre aquilo que lhe é próprio e o que é comum. A construção da polis foi feita com a destruição de todas as unidades organizadas à base de parentescos. Antes de construir o conceito de vida pública e uma sociedade, os gregos e todos os seus contemporâneos viviam apenas em grupos de famílias e assim faziam com o único objetivo, o de preservar a própria vida. Isso não diferencia em nada o ser humano de outros animais que se reúnem para protegerem-se.
Na vida familiar existe…

O que precisamos saber para sermos uma potência

A eterna esperança de que seríamos o país do futuro parece estar caindo em descrença absoluta por conta dos recorrentes acontecimentos nacionais. Devemos vencer essa incerteza e construir o país do presente. Diz a lenda que nós não desistimos nunca mas, ninguém consegue realizar algo se não acreditar no projeto. Precisamos inflar a confiança brasileira e isso pode acontecer a partir da observação de alguns fatos.
Peter Drucker em um importante artigo chamado `` A administração e o trabalho do mundo `` nos alerta para o fato de que `` ao longo dos últimos duzentos anos, nenhum país se tornou uma grande potência econômica seguindo as passadas de líderes anteriores.`` Nesse mesmo texto ele demonstra como fizeram os líderes de hoje. Os Estados Unidos, foi o país que mais desenvolveu a capacidade de gestão, mostrou isso muito claramente na II Guerra mundial e se se manteve fiel a essa proposta aprimorando-se sempre no gerenciamento de todas as suas instituições. Os japoneses no pós-guerra …

A arte de contemplar a vida

A contemplação é um ato que acompanha o ser humano desde os mais remotos tempos. Os povos sedentários (que habitavam uma terra e nela ficavam por muito tempo) tinham a cultura desse hábito ainda mais arraigado, pois como não pretendiam se deslocar no espaço tinham todo o tempo para se deslumbrar com as maravilhas do mundo que nos rodeia. Por observar por um longo período tudo o que estava a sua volta, essas pessoas conseguiam atingir uma percepção mais aguçada do universo. Chegar à essência das coisas requer muita observação focada sem ser influenciado por outros sentidos externos. A cultura da contemplação começou a ser prejudicada a partir do momento em que os povos nômades começaram a ocupar mais espaço na terra, pois eles se estabeleciam nos locais apenas o tempo em que as reservas naturais disponibilizavam o que eles necessitavam. Esses povos ambulantes não tinham o pensamento voltado para o longo prazo, para a construção de uma civilização e muito menos para a geração de riqueza…

Só dá certo quem muito quer

Duas características são imprescindíveis para que se vença na vida em qualquer área. Se você deseja mesmo ser bom naquilo que quer é importante que desenvolva:
1. Persistência titânica.
2. Senso cri-critico exacerbado.
A persistência mostra claramente seu valor quando observamos a maior parte das pessoas abandonando tudo o que começam. Em pouco tempo quase todos desistem do que se predispuseram a conquistar e como na estória da lebre e da tartaruga os persistentes vão chegando e acabam sendo vencedores. Podemos atribuir à continuidade cerca de 80% da importância para uma realização. Há casos em que a pessoa faz tudo errado, mas só pelo fato de persistir acaba por vencer. A perseverança mede o quanto verdadeiramente queremos tornar nossos sonhos realidade. O ponto fraco do obstinado é que ele normalmente tem dificuldade de mudar e se adaptar a uma nova realidade. Aquele que realmente quer acabará concretizando-o, pode demorar um tempo, mas uma hora, seu sonho, acabará se tornando reali…

Os business e a filosofia

A administração, por ser uma ciência muito recente (com cerca de 150 anos), tem se modificado muito e hoje se aproxima pouco do que era quando surgiu. Vejamos a história de um de seus maiores influenciadores e notemos como mudamos nosso conceito a respeito de administração no último século.

Frederik Taylor é considerado o pai da administração científica por propor a utilização de métodos cartesianos na administração de empresas. Seu foco era a eficiência e eficácia operacional na administração industrial. Assim como Descartes foi imprescindível para o período obscurantista, tirando a carga pesada de misticismo que imperava na época e deixando tudo mais real, Taylor fez uma obra também importante, aumentando enormemente a eficiência da produção empresarial. Entretanto seus métodos se tornaram tão simples que foram deixados de lado. Descartes acreditava piamente que através da matemática poderia provar e prever tudo inclusive a existência de Deus, erroneamente pensou, pois como diz Shake…

"O inferno são os outros"

Jean-Paul Sartre em sua mais famosa peça para teatro intitulada Entre quatro paredes, apresenta um cenário no qual três pessoas vão para o inferno, este por sua vez não se trata de um local quente e repleto de seres diabólicos, mas de um aposento mal decorado com móveis antigos. Nesse ambiente nada acolhedor, as pessoas têm que conviver com os defeitos e diferenças dos outros e em um determinado momento um dos infelizes moradores desse quarto expressa uma das mais famosas frases da obra desse grande filósofo francês "O inferno são os outros".
Essa frase diz muito sobre a natureza humana. Desde os mais remotos tempos o homem foi condicionado a transferir as obrigações aos outros. No começo transferia a responsabilidade para a natureza, depois para Deus, para o senhor feudal, para o Estado, empresa, enfim cada momento para alguém e nunca para si mesmo. A própria filosofia de Sartre era baseada na responsabilidade sobre seus atos para se conseguir liberdade.
As artes marciais ens…

Determinação e realização

Você nunca se questionou de onde vem a força das pessoas que passam por muitas dificuldades e que apesar disso se mantém focadas em seu objetivo e depois de muito lutar conseguem realiza-los? Por outro lado vemos pessoas com tudo o que precisam a seu alcance e apesar disso passam a vida em branco e nada fazem pela melhoria do mundo em que vivemos. Muitas vezes a facilidade pode se tornar nosso maior inimigo e a dificuldade nossa maior dádiva, depende apenas de nossas decisões. Fica claro que realizar não depende das condições iniciais mas sim da vontade e determinação do progenitor da idéia
Acredito que essa força da determinação inicia com o autoconhecimento, à medida que nos conhecemos mais vamos descobrindo também qual é o nosso propósito de vida. Quando você tem isso muito claro fica mais fácil agir com uma convicção inabalável de que conseguirá, aconteça o que acontecer. Saber para que viemos ao mundo nos dará o alimento da motivação invencível. Para conseguir essa descoberta tão …

Meritocracia producente

O comportamento da população reflete aquilo que valorizamos, ou seria o contrário? Apreciamos as coisas que vão se adequar ao nosso comportamento? Não importa, o fato é que, no Brasil não estamos dando valor a aquilo que fará bem a todos nós como pessoas e como país.

Todos os dias saem notícias de novos artigos de luxo que custam milhões e que são o grande diferencial para aqueles que têm. Será essa a única forma de se diferenciar na sociedade? Quando vamos deixar de valorizar aquele que tem pra valorizar aquilo que somos?

Muito menos comum é ouvirmos notícias de pessoas que escreveram livros fascinantes ou de outras que vêm fazendo pesquisas que vão melhorar a qualidade de vida de todos nós. Podemos também valorizar mais as pessoas que dedicam suas vidas a projetos sociais ou a construir uma empresa que gerará milhares de empregos. O Brasil não vem valorizando a cultura nem a arte e acaba caindo em uma tendência de cópia barata dos Estados Unidos. Estamos condicionados a consumir par…

Nós fazemos nossa parte

Como todo pequeno empresário, comecei sem experiência e sem capital suficiente, mas com muita motivação e vontade para vencer. Tenho consciência dos muitos problemas que afetam o pequeno empresário brasileiro, mas não é neles que vou me focar. Vou falar de problemas e soluções maiores que já vem sendo implementadas, mas que só quem está no olho do furacão percebe. Porque é sabido que existem três tipos de pessoas: as que fazem as coisas acontecerem, as que vêem as coisas acontecendo e as que perguntam: “o que aconteceu?”.
A classe empresarial brasileira chamou para si a responsabilidade de melhorar este país que tanto amamos. Cansados, desistimos de esperar por pessoas que não estão à altura do cargo político que ocupam, nem têm competência para fazer desta nação uma grande potência.
O movimento para mudar essa situação de desencanto com os que nos deveriam representar não é novo, mas tenho certeza de que nunca esteve tão forte quanto agora. Tenho o privilégio de poder acompanhar de per…

A consciência e a arte

Muito se critica a arte contemporânea e poucas pessoas conseguem entender aquilo que realmente ela pretende ser.

Façamos uma breve retrospectiva para traçar um paralelo entre a evolução humana e a arte nestes últimos 500 anos. No período medieval, as pessoas em geral tinham muito pouca consciência do que acontecia no mundo. Viviam suas vidas de forma modesta e humilde, preocupando-se com seus afazeres diários e em não desagradar ao senhor feudal. O poder estava nas mãos dos imperadores e bispos, do Estado e da Igreja. Eram estas instituições que iniciavam os movimentos seguidos por todos os que estavam abaixo na escala social. O poder de decisão dos trabalhadores ou guerreiros era praticamente nulo. Obviamente a arte era voltada apenas para marcar as batalhas, vitórias e as crenças daqueles que estavam no topo da hierarquia. Importava apenas o que acontecia com estes.

Procure sentir-se como uma pessoa do povo, que vivia na Europa por volta de 1500 d.C. e perceba como o seu poder de mu…

OS LIMITES DA SABEDORIA

Imagem
Antes de iniciarmos essa reflexão vamos esclarecer alguns pontos. Há grandes diferenças entre o que o Ocidente e o outro lado do mundo entende por sabedoria. Do lado de cá, a sabedoria está normalmente atrelada à capacidade de associações, ao movimento mental e a algo estritamente especulativo. Desde o jardim de infância nos ensinam que devemos sempre pensar, refletir e que isso é realmente essencial. Entretanto, esta atitude que nos foi imposta pode tornar-se limitadora à percepção mais profunda do mundo. Se pensarmos em termos de inteligiencia emocional, a satisfação dos desejos também é limitante e muitas vezes têm um grande fundo de condicionamento. Cito o escritor brasileiro, DeRose "há duas formas de comprovarmos a inutilidade dos prazeres: a primeira é renunciando a eles; a segunda, gozando-os." A satisfação dos sentidos realmente traz uma realização, mas passageira e que termina assim que as sensações reduzem sua intensidade. Se nos detivermos nisto estaremos eterna…