Buchupureo

Um dia talvez eu more aqui. Não sei por quanto tempo. Nem mesmo sei quanto tempo pode-se chamar de morar. Um mês? Dois? Seis? Um ano? O fato é que de todos os lugares reclusos que conheço esse é o que mais me agrada. Clima ameno, paisagens bucólicas, ondas, florestas e agora descobri também excelentes estradas para pedalar.

Não posso negar que gosto da agitação urbana, não sou daquelas pessoas que passa o tempo todo reclamando das inconveniências das grandes cidades. Vejo muitas vantagens em viver em São Paulo - facilidade de ter o que se busca, acesso à cultura, amigos por perto… Por outro lado, acredito que todo mundo devia morar isolado por um tempo, e isto está muito presente em mim depois dessa viagem ao Chile. A solidão não me incomoda, já fiz viagens sem mais ninguém, mas certamente morar é diferente, mais difícil. Entretanto, eu escreveria muito mais, praticaria mais Yôga, treinaria mais esportes e surfaria mil vezes mais. O que falta agora é apenas coragem de tomar a decisão.  



Comentários

  1. Oi Alex,
    Muito bacana seu blog . Te achei no Tinder e lá estava o link do seu blog. Entrei e fui fuçando ... li um , li dois . Até que cheguei no final “vou acordar com a certeza de que a graça da vida está justamente no imponderável, no imprevisível e naquilo que pode não ter mais volta” Acho que era tudo que eu precisava ler no meu dia de hoje!
    ps: aplausos para a cuzisse nunca tinha ouvido o termo e relação : faça o que for preciso, mas jamais deixe que sua vida se torne uma cuzisse.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A História do trabalho

O Peso Real de Paulo Guedes

A psicologia do MEDO