Batalha de Gigantes

Achei essa entrevista numa edição especial da revista Serrote. Depois de lê-la senti vontade de fazer como aqueles joguinhos da revista VIP que duelam os atributos das personalidades. Apesar de ser um admirador da obra de Vinicius, neste embate ele não se saiu tão bem contra o argentino. Confira o resultado.


extraido da revista Serrote (edição especial para a FLIP)

No dia 16 de setembro de 1975, a jornalista Odile Baron Supervielle organizou um encontro entre Jorge Luis Borges e Vinicius de Moraes.
A reunião ocorreu no apartamento de Borges, na calle Maipú.

O que torna o evento ainda mais interessante do que a própria ocasião sugere?

Vinicius: Se importa se eu fumar, Borges?

Borges: Não. Eu fumava quando tinha 13 anos, para me sentir um homem, depois parei.


..................................................................................................

Vinicius: O álcool nunca foi um dos seus prazeres...

Borges: Não, nem um pouco. Na verdade, a única bebida de que eu gostava era água. Também o leite frio, a sidra, e me desculpe dizer, mas gosto do café colombiano. Veja... acredito muito na frase do místico inglês William Blake: " A felicidade vale mais do que a alegria". É muito mais importante a felicidade, que é serena, do que a alegria, que tem algo de efêmero, de incômodo para os outros, de barulhento. Uma pessoa bêbada sempre faz papel ridículo. Eu já me senti muitas vezes feliz, quando jovem. Cavalgando, por exemplo, ou lendo. Claro, essas felicidades são mais fáceis porque dependem da própria pessoa. Se a felicidade depende de outra pessoa, sempre há um elemento de dúvida, de angústia.

Vinicius: Nisso somos totalmente diferentes, porque para mim a felicidade sempre depende de outra pessoa. Não posso ser feliz sozinho. Para mim é impossível.

Borges: Ah! Essa é uma fraqueza sua! O importante é ser um Robinson Crusoé e ser feliz.



..............................................................................................................


Borges:
O Eu sinto que uma mulher é linda. Mas não acredito que alguém se apaixone por uma mulher apenas por isso. Conheço mulheres muito lindas que não são especialmente adoráveis, e mulheres muito feias que despertam amores.

Vinicius:
Mas muito, muito feias, não, Borges.

Borges:
Claro que sim! A beleza é um elemento entre outros. Se uma mulher é inteligente, se é sensível, esse são valores. A beleza tem importância, mas não é o único elemento.



........................................................................................................


Parabéns Borges!


design myfots.com





Comentários

  1. Dani, você viu Tropa de Elite 2? É interessante observar a força que um indivíduo tem que fazer para enfrentar diretamente uma egrégora. E mesmo assim, se consegue alguma coisa, mas não muito. Senti-me impotente e sem esperança ao final do filme. Como se altera uma egrégora dessas?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A História do trabalho

O Peso Real de Paulo Guedes

A psicologia do MEDO