PROPÓSITO


Quem escreve sabe como é. Além da solidão que o ato impõe há também um constante questionamento em relação ao propósito de perder tanto tempo para se colocar as idéias no papel.

Será que alguém lerá? Será que conseguirei de alguma forma contribuir com a vida das pessoas? Estas são perguntas que sempre passam na nossa cabeça de escritor. Afinal, são horas e horas de pesquisa e elaboração para que os textos saiam com qualidade.

Entretanto, às vezes acontecem manifestações como esta abaixo que nos mantém motivados a seguir trabalhando.

Conheci a Vanessa no aeroporto de Guarulhos. Eu e o Walter Cândido estávamos indo esquiar em Chapelco e ela indo para Miami e depois New York. Como nós já havíamos morado lá e rodado aquela ilha de cima a baixo demos algumas dicas. Depois nos encontramos outra vez também por coincidência numa festa pós revellion e estes dias ela me mandou este e-mail.


DANIEL
Tudo bem??
Pena que não deu certo o encontro em SP. Acho que vai ter q ser em POA! :p
RECONHECE ESSE TEXTO EM ANEXO??????????????
Se eu te contar uma historia...
Li esse texto dia 31 de Dezembro, lá em Garopa! E adoreiiiiiiiiiiiiiiiii Fiz toda a familia ler!
Pensei depois "esse nome parece familiar", mas nem dei bola.
Ontem, peguei o texto de novo, para encaminhar uma parte para umas amigas, pois quero convida-las para meu housewarming! Foi então que liguei os pontos!!!!!!!!!!!!!!!
kkkkkk
Dia 18 embarco para NY mais uma vez...dessa vez para passar frio!
Bj


O texto é um artigo meu chamado A FELICIDADE NÃO MORA AO LADO que saiu na revista Juice. Reproduzo-o abaixo.


A melhor descrição de felicidade para mim é a de um estado de tamanha satisfação que você não tem a necessidade de mais nada, deseja apenas que aquele momento se prolongue ao máximo. Quando isso acontece conseguimos vivenciar absolutamente o momento presente, não tendo expectativas e nem receios. Simplesmente nos deixamos preencher por aqueles instantes e uma alegria plena toma conta de nós.

Por incrível que pareça, essa felicidade aparece em muitos momentos todos os dias, entretanto nós, seres humanos, com nossa incrível capacidade de nunca nos sentirmos satisfeitos, não percebemos esse estado e o perdemos com pensamentos que projetam nossa satisfação para o futuro ou para o passado. Sentenças como "esse momento está tão bom mas se... seria muito melhor" ou "naquela época quando ..." vagueiam por nossas mentes fazendo com que percamos momentos muito gostosos de se viver.

Se nos dois casos acima tivéssemos preenchido a expectativa daquele que levou a satisfação para o futuro ou, se conseguíssemos nos transportar para o passado e vivenciar o momento que ele achava que era feliz, com certeza outra necessidade surgiria para atrapalhar a constatação da felicidade.

Como diz o filósofo contemporâneo Ricardo Mallet: "Ser feliz é fácil, difícil é perceber isso." Pois é justamente para essa percepção dos momentos agradáveis que vivenciamos todos os dias, que devemos estar atentos, para não perde-los com o vício da transferência do contentamento.
Outro grande filósofo indiano, Pátañjali que viveu por volta do séc. III a. C. diz que se compreendermos a mensagem do desapego entenderemos o sentido da vida. O desapego ao qual ele se refere não é abrir mão de todos os bens materiais e ir viver na montanha. Esses bens não devem ser desprezados, devemos inclusive desejar tudo aquilo que possa nos trazer mais bem-estar. No entanto o que não pode acontecer, e esse é o grande ensinamento de Pátañjali, é projetarmos nossa felicidade para algo que esta fora de nós mesmos. Se o sentido da vida é ser feliz, a melhor maneira de cumpri-lo é chegar a isso sem depender de outras pessoas ou de objetos.

Quando conseguirmos vivenciar este estado de desapego, vamos continuar valorizando o que temos, mas sem deixar isso interferir em nosso bem-estar. Pensar com desapego é construir esse tipo de pensamento: "Eu adoro meu carro, vou zelar por ele, mas caso o perca isso não vai interferir na minha felicidade, pois esse estado é algo que me pertence e nada pode tirá-lo de mim."

Apesar de não podermos nos deixar influenciar por fatores externos, a valorização do que temos é parte do processo para nos mantermos mais tempo no estado de contentamento. A gratidão pelas pessoas que nos rodeiam e por tudo aquilo que temos faz com que consigamos transportar nossa vivência para o momento presente, enchendo de sentido o que possuímos. Domenico de Masi em seu mais famoso livro O ócio criativo diz: "As poucas coisas que o filósofo tem lhe bastam, já que ele sabe enriquecê-las de significado." A felicidade só pode ser vivenciada no momento presente. A meditação é um treinamento deste estado, pois nos ensina a nos transportar para o aqui e o agora com todas as nossas forças. Seja você praticante desta técnica ou não, treinemos mais a vivência da seguinte sentença em nosso dia-a-dia: "Eu não gostaria de estar em outro lugar ou momento que não fosse este", e passemos a valorizar mais aquilo que temos não deixando que a felicidade nos escape entre os dedos, ou melhor, entre os pensamentos.

Comentários

  1. Nossa, que animal!!! Quero ser escritor também!!! rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Que legal que tá o teu blog heim! Profissa!!! Parabéns!!! Bjs e saudades!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá De Nardi.Seu Blog já está em nossa lista de links. Se você puder colocar o nosso tbm, ficaremos gratos.
    Abração!
    Grupo de Líderes SC
    http://grupodelideresdesc.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Que mundinho pequeno!Parabéns pelo talento. Eu como jornalista formada sei que escrever não se aprende, ou você nasce com a vocação ou vai passar a vida se desdobrando para se fazer entender.:)Beijos da irmã da Vanessa! haha

    ResponderExcluir
  5. Criar textos com inteligência e sentimento, e sem arrogância me fascina, e isto você tem de sobra. Quando li Propósito tive a sensação de estar ouvindo e não lendo. Parabéns. Continue assim. Marco.

    ResponderExcluir
  6. Paula Prado Sodre9 de março de 2010 09:29

    Amei!Sou sua fã...rsrsrsrsrs

    Parabéns!

    Bjo

    Paula Prado

    ResponderExcluir
  7. dadá, suas palavras são lindas e estimulam nossas sinapses. porém o mais importante do que alguém lê-las, é você conseguir expressá-las. não deixá-las guardadas. mas compartilhá-las - são os seus pensamentos vindo à tona. deixá-las ao vento. um dia elas chegarão em nós... com certeza! beijos, jujú.

    ResponderExcluir
  8. Dani, que satisfação me dá ao ler este Post.
    Parabéns, mais do que merecido.
    (Paulinho Sefton)

    ResponderExcluir
  9. Muito bacana essa história e parabéns pelo blog e seus textos, sempre passo por aqui.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Por nossos pensamentos estarem sempre mudando criamos uma falsa noção de tempo. os pensamentos acontecem no tempo. Ontem pensei uma coisa, hoje estou pensando outra e de pensamento em pensamento crio a ilusão do tempo. Existe algo que nunca passa? que esta sempre aqui? Estamos procurandopor algo que seja permanente. Tudo que existe acontece no tempo e no espaço. O corpo acontece no espaço. A mente acontece no tempo; eu preciso de tempo pra pensar. Existe algo que esta alem do espaço e alem do tempo? Que está sempre aqui? Onde começa o agora e termina o agora? Sem tempo pra pensar me responda. Se conseguir vc ganha um doce. Antes que eu me esqueça; eu não sou maluco.

    ResponderExcluir
  11. NÓS TEMOS QUE PROCURAR A FELICIDADE PARA SERMOS FELIZES!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Olá Daniel.
    Gostei muito do seu texto, é bem estruturado e ao mesmo tempo sensível e cativante.
    Eu estava pensando que melhor do que várias pessoas lerem seu texto quando você o escreve, é várias pessoas o continuarem lendo com o passar do tempo.
    Seu primeiro comentário foi em fevereiro e espero que esse mesmo texto ainda receba muitos comentários construtivos.
    Outro dia li em um livro o pensamento de um mestre que dizia que as pessoas têm de parar de ver o mundo através de sua própria cabeça, em vez disso, olhar pelo coração.
    Foi assim que percebi seu texto.
    Parabéns pelo blog que é sensacional.
    Beijo
    Roberta

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A História do trabalho

O Peso Real de Paulo Guedes

A psicologia do MEDO