Amigo Secreto


Eu abri o livro e a carta caiu. O que você me dera há alguns dias e que já figurava entre os meus favoritos.

E eu que sempre pensei que quem pegávamos no amigo secreto era alguém com quem teríamos algo a resolver. Não sei de onde veio isto, talvez daqueles livros de auto-ajuda que eu lia na adolescência e que diziam que há um porque em tudo o que acontece no universo. Mas vamos ficando mais velhos, mais "sábios" e então passamos a achar que tudo o que acontece, no máximo acontece para nos prejudicar. E foi você que me tirou. E nós tinhámos tanta coisa para resolver...

Quando eu li a carta aquele dia fiquei decepcionado, pensava que como num toque de mágica, como num mundo perfeito, onde as pessoas tiram as outras no amigo secreto o fazem porque existe algo para resolver, você simplesmente voltaria para mim. Diria que esse tempo todo foi só um ajuste e que teríamos de novo a nossa cama gigante onde um grande corpo de duas pessoas ocupava um pouco menos da metade dela. E naquela hora a carta me frustrou. E só agora, com o papel nas mãos, vejo que um pássaro fala corações. Não posso deixar de pensar em mensagens enviadas pelo subconsciente. Por que esses corações? São eles que ferem o meu agora. Mas lembro que talvez por essa força mística, existente ou não, do amigo secreto, você voltou a ficar próxima, a me tocar e até a sentar no meu colo. Tive medo de te pedir algo, pois o medo de ser rejeitado mais uma vez me obstruiu como fazem todos os medos que atordoam as nossas vidas.

O pássaro cantava corações e nós dois estávamos tão lindamente desenhados ali. Como duas crianças inocentes, que se juntam porque são os únicos da escola que conseguem conviver um com o outro. O passáro canta. Será que um dia ele voltará? Será que cantará de verdade. "Onde estás? Nas nuvens ou na insensatez? Me beije só mais uma vez depois volte pra ..."

Comentários

  1. Excelente!

    Abraços,

    Rogério Chimionato
    Instrutor da Unidade Centro Cívico - Curitiba - PR
    www.yogacentrocivico.org/blog

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A História do trabalho

O Peso Real de Paulo Guedes

A psicologia do MEDO