A psicologia do MEDO

O amor e o medo são as duas emoções que mais movimentam o ser humano. Como já falamos da primeira delas em outro artigo, vamos tratar neste trecho do lado negro da força.

Se fizermos uma análise bem profunda desta sensação, chegaremos à conclusão que todos os tipos de medo têm na origem o medo da morte. Eles serão mais intensos na medida em que se aproximarem mais deste que é o maior de todos os receios. Entretanto, o temor da morte sempre foi muito válido na preservação de nossas vidas. Façamos uma breve introspecção no amedrontamento de uma personagem fictícia e vejamos o quanto uma crença aparentemente infantil pode prejudicar nossa performance. Nossa vítima tem um medo bem comum nas pessoas, falar em público e por isso se expressa muito mal na frente de mais de duas pessoas.

De onde vem esse medo? Uma resposta possível é que ela pode se sair mal na sua exposição.
Qual o problema disso? Talvez não seja bem vista pelas pessoas que presenciarem sua apresentação.

Qual é o receio de termos reprovação dos observadores? Se as pessoas não gostarem de nós acabarão se afastando e podemos tornar-nos infelizes.

Por que precisamos temer isso? Pessoas infelizes adoecem mais e consequentemente aumentam suas chances de morrer. No fim sempre chegamos a fonte geradora de todos os medo. O medo da morte.

Embora essas respostas pareçam simples e infantis nosso emocional normalmente é bastante imaturo e funciona desta maneira. Conseguindo retirar todas as camadas superficiais que tentam maquiar a realidade dos temores o que sobra lá no fundo é o instinto de sobrevivência.

Por ser uma emoção tão forte o medo vem sendo utilizado ao longo da história humana como uma das mais eficientes formas de manipulação. Quando tememos muito por algo e não temos coragem de enfrentar, acabamos fazendo qualquer coisa para nos livrar dessa sensação incômoda.

O ser humano tem pavor do desconhecido. Aquilo que nunca experenciamos pode nos conduzir à morte. Por isso, desde muito cedo, o homem receou a natureza. Ela era toda inexplicável em épocas primitivas. Por temer sua imprevisibilidade tentamos até hoje domina-la. Depois sofisticamos o medo criando o misticismo – misticum provém da mesma raiz latina de misterium. Este sistema de criar um mundo que não poderia ser visto ou controlado por simples mortais dava um poder infinito àqueles que diziam que conseguiam manipula-lo. Devido à força que o misticismo possuía, ele acabou sendo institucionalizado em forma de religiões. Hoje, elas estão aí para provar o poder que o desconhecido pode exercer sobre nós.

Nos dias atuais os sistemas de manipulação através do medo são ainda mais elaborados. Tudo o que tememos prende nossa atenção. Procuramos mais informações, pois assim talvez saibamos como agir quando uma situação inusitada ocorrer. Explicado está porque é tão lucrativo para os meios de comunicação expor tantos episódios violentos e amedrontadores todos os dias.

Uma pesquisa mostrou que a violência nos Estados Unidos cai a cada ano, entretanto ela ao mesmo tempo cresce em exposição na mídia estadunidense. Este tipo de atitude dá muito poder ao setor, pois ele passa a falar de um assunto que aparentemente preocupa a todos. Daquele tipo de informação parece depender nossas vidas. Mais uma vez se vê presente o medo da morte.

A manipulação através do terror também é utilizada pelo mercado de trabalho. O medo de ficar desempregado é motivo para que as pessoas sacrifiquem sua vida privada em função de algo que pode vir a acontecer. As empresas sabem disso e manipulam as pessoas com essa possibilidade. Os empregados acabam trabalhando mais e isso aumenta a produção, mas por outro lado cria-se uma sociedade repleta de pessoas tristes e insatisfeitas. Na outra extremidade temos aquelas que passaram pelo trauma de uma demissão, montaram seu próprio negócio e tornaram-se felizes e realizadas.

A obra literária que mais influenciou os Estados Unidos depois da Bíblia foi um livro chamado Quem é Jonh Galt? de Ayn Rand. A autora russa sofreu muito com a Revolução de seu país e fugiu para os EUA por não suportar a falta de liberdade em sua terra natal. Nesse romance de tese ela conta a história de um futuro indefinido no qual forças políticas de esquerda estão no poder dos Estados Unidos. O país entra em decadência e sua economia caminha para o colapso. Essa obra influenciou milhões de americanos, entre eles o gênio que presidiu o Banco Central Americano durante 20 anos, Alan Greenspan. Esse medo influenciou-o em muitas de suas decisões.

Seu maior medo era que acontecesse com eles, o mesmo que aconteceu na ex-União Soviética e na atual Cuba. Com uma grande preocupação que esse desastre ocorresse os estadunidenses lutaram com todas as forças para que um sistema mais liberal prevalecesse no seu país. Eles conquistaram seu objetivo e tentaram expandi-lo ao mundo. Vemos nesse caso um aspecto positivo do medo, ele nos faz agir e crescer para que espantemos aquilo que possivelmente possa nos prejudicar.

Agora como podemos lidar com uma emoção que de tão forte pode nos deixar dominados por seu poder e menos conscientes?

O medo é um fenômeno psicológico. Ele é criado dentro de nossas mentes a partir de uma combinação de traumas, expectativas e receios. Embora possamos tentar nos afastar dele, se a crença que o alimenta não for alterada ele continuará habitando nosso inconsciente. Não há como refugiar-se é preciso enfrentá-lo.

Nas filosofias iniciáticas existe um conceito chamado de Senhor do Umbral. Esse fenômeno aparece em determinado estágio de nossa evolução pessoal e é formado pela soma de todos os medos que temos multiplicados na última potência. Aquele que deseja evoluir internamente, em algum momento, deve encarar face a face seu monstro amedrontador. Na verdade ele não existe, é apenas uma ilusão criada no psiquismo. O conceito do Senhor do Umbral nos ensina que se temos determinado medo, não devemos fugir dele, pois uma hora ou outra ele aparecerá.

O medo toma proporções gigantescas por uma distorção na nossa mente, quando enfrentado ele se reduz ao uma simples ilusão facilmente quebrada. Nesse caso, a expectativa sempre supera a realidade. O difícil nesse processo é manter a decisão de vencê-lo, pois quando o enfrentamento ocorre vemos que a proporção gigantesca do medo na realidade é bem mais reduzida que imaginávamos.

Se uma pessoa tem medo de cobra, não deve evitar por tudo esse animal nada amistoso. Ela deve ir se aproximando aos poucos. Pode começar a estudar serpentes e ver seus documentários. Vai descobrindo que a proximidade ao temor lhe traz confiança e não mais medo. Depois ela faz uma visita a um zoológico. Em pouco tempo, se tiver vontade para vencer seu trauma, estará tocando em uma delas com muita naturalidade. Os medos existem para serem vencidos e nos tornarem mais esclarecidos e confiantes. A sensação advinda do vencimento de um trauma é uma sensação de coragem e de que você é imbatível. Vale a pena vivenciá-la.

Seja qual for o seu medo enfrente-o. O dia em que você passar por ele saiba que é menor do que você acha. Tente vencê-lo, é questão de prática, de ir conquistando confiança aos poucos. Depois de vencido você perceberá o quanto ele é mais fácil de dominar do que você imaginava. Essa atitude o tornará uma pessoa melhor e mais segura de si. Não há o que temer nessa vida, encare seus medos como desafios e torne-se maior do que és.

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Alexandra Bastos29 de maio de 2009 06:22

    Que delícia encontrar seu bolg e poder aprender um pouquinho de novo! Dorei!

    ResponderExcluir
  3. Olha, nunca tive medo de nada nessa vida. Muito pelo contrário, sempre encarei todos os desafios da vida de peito aberto.

    Acontece que de uns poucos anos para cá, tenho começado a sentir medo de morrer. Ainda não descobri no meu passado onde isso foi desencadeado.

    Seu texto me ajudou muito, gotei mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Nossa amei sua reportagem, eu tenho uma prima que tem muito medo de passar mal e ficar sozinha, seu documentário tenho a certeza que vai me ajudar a ajuda-la.

    ResponderExcluir
  5. Olá

    gostaria de saber as bibiografias de onde foram tiradas as idéias do texto. Muito bem escrito

    ResponderExcluir
  6. Boa parte do que escrevi aqui aprendi com o Prof. DeRose em suas aulas teóricas.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde,parabéns pelo texto esclarecedor para todas as pessoas que convivem com esse mal,o medo.
    Eu tenho medo de medir pressão,tenho esse bloqueio desde um dia que alterou,por ansiedade e começei a ter medo de morrer,to fazendo tratamento com psicóloga e sei que meu tormento vai acabar.Agradeço por ter ajudado a ver o medo de uma outra maneira.fique com Deus.

    ResponderExcluir
  8. Tenho tantos medos que nem consigo falar sobre eles. Hoje achei que estava com a pressão alta,coloquei o aparelho para medir a pa mas não tive coragem de fazer a medição ,tentei mais tarde e deu no mesmo, omeu medo me venceu mais uma vez.Chorei em silencio,depois procurei ajuda na internet.
    Depois de ler sobre a psicologia do medo vi que ainda esiste uma luz no fim do tunel, agradeço a De Nardi por me mostrar.Quando conseguir vencer meus fantasmas voltarei aqui para comemorar esta vitoria com voces.

    Desculpem o desabafo e o meu portugues.

    Um abraço a todos

    Dirceu

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito de seu texto, Tenho muitos medos mais confio em deus eu sou um cara que ja teve bastante problemas tinha sindrome do panico 1 ano de tratamento tomando remedios passou mais um resolveu alguns medos que eu tinha de sair na rua

    ResponderExcluir
  10. maneiro o texto, o medo é desproporcional a realidade, basta enfrenta-lo =)
    vlwwwwwwww grande!

    ResponderExcluir
  11. Muito bom! Parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Olá Daniel! Seu texto está muito bom. Tanto que ousei usar trechos dele no meu blog, sem problemas?
    Visita lá pra ver o meu artigo sobre Medo.

    http://fatorquantico.blogspot.com/

    Parabénss

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Muito bom o seu texto sobre medo, com certeza vai ajudar a resolver o trauma de muita gente.

    ResponderExcluir
  14. "Com uma grande preocupação que esse desastre ocorresse os estadunidenses lutaram com todas as forças para que um sistema mais liberal prevalecesse no seu país. Eles conquistaram seu objetivo e tentaram expandi-lo ao mundo. Vemos nesse caso um aspecto positivo do medo..."
    mmm nao acho que o liberalismo de EUA seja um exemplo de modelo para o mundo...
    bom artigo!
    andrés

    ResponderExcluir
  15. Nem sempre enfrentar o medo é o melhor caminho. Aqueles que não consegue vencê-lo certamente ficarão ainda mais ansiosos. Outra técnica consiste em se adaptar a situação que desencadeia o medo, iniciando de forma lenta, e percebendo as alterações, até que o indivíduo consiga se adaptar a situação de forma natural.

    ResponderExcluir
  16. muito bom seu texto me ajudou muito obrigado

    ResponderExcluir
  17. No livro DAF: A Essência Perdida de I. di Renzo, em e-book na Amazon, é apontada a mais provável causa que levou os humanos a sentirem medo de seus semelhantes. Essa causa nunca antes observada, imaginada ou pesquisada cientificamente continua a promover os temores que a humanidade enfrenta até hoje.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Feitas para Durar (resumo do livro)

A História do trabalho